Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

the old soul girl

the old soul girl

03
Abr20

we are okay, we are alright

girl

Todas as crises, pequenas, médias e grandes, têm o poder de nos transformar, se estivermos recetivos à mudança. Podemos sempre aprender algo novo sobre nós, sobre os outros, sobre o mundo e a própria vida. Mas temos de estar disponíveis e abertos para olhar para as coisas, até então conhecidas, certas e previsíveis, com um novo par de olhos. Foi o que eu tentei fazer esta semana. Depois de ter vivido praticamente todo o mês de março em sobressalto, envolvida em emoções de angústia, revolta, raiva, injustiça, ânsia e receio, entendi que, pela minha saúde, estava na hora de parar. Como não posso parar no sentido lato da palavra e me ejetar do meu ambiente tóxico (que é o do trabalho), compreendi que tinha de mudar o meu comportamento e a minha atitude perante a situação em que me encontro. Estava farta de me sentir desgastada, de me sentir zangada por qualquer coisa, ainda que mínima, de me estar sempre a queixar das mesmas velhas coisas que, precisamente por serem velhas, significa que não serão elas a mudar, mas que tinha de ser eu a fazê-lo. Podemos sempre fazer uma escolha perante tudo o que nos acontece, é onde reside a nossa verdadeira e única liberdade, como Frankl nos ensinou há muito tempo e fruto de condições muitíssimo mais adversas do que aquelas em que nos encontramos.
Por isso, esta semana quis inverter tudo e comecei pela forma que me é mais familiar: procurar coisas positivas nesta situação. Porque existem. Existem sempre em tudo que nos acontece, basta procurar. E a primeira coisa que me ocorreu foi, ironicamente, o meu trabalho. O meu discurso parece esquizofrénico, eu sei, até eu própria fico confusa. Mas a verdade é que embora esteja perto do limite do estar farta de aqui estar, por outro lado, sei que trabalho num lugar que dificilmente será afetado por esta crise económica que se avizinha, que até ao momento triplicamos os nossos serviços e que não se precisou de tomar qualquer medida que envolva imposição de férias ou lay offs. Por isso, este trabalho, neste momento, assemelha-se muito a um bote salva-vidas no meio de um tempestade no oceano. E para tempestiva já me basta a minha vida familiar, por isso, arrisco-me a dizer que é uma bênção enorme ter este emprego.
Também pode parecer estranho a próxima coisa positiva que vou referir, porque, novamente, parece contraditória. Dava tudo para estar protegida e segura em casa, através de teletrabalho. Todos os dias tenho uns minutos de introspeção de pânico em que penso se já estarei infetada e faço um check-up interno para verificar a possível existência de sintomas. Mas depois olho para a minha família em casa, que está protegida fisicamente, mas que emocionalmente começa a ficar erodida. Os dias parecem-lhes todos iguais, não conseguem acompanhar-me nas celebrações por ser sexta-feira, não tem novidades para contar. Começam a ficar sem ideias para ocupar o tempo, estão saturados uns dos outros (mais do que o normal). E eu penso para mim que, embora seja um ato sádico sair de casa e expor-me, pelo menos, enquanto estou a trabalhar, a minha mente está ocupada com outras coisas que não a situação atual. Estou distraída, às vezes parece que nada mudou para mim, porque no trabalho tudo continua como se nada fosse e a minha rotina não se alterou significativamente. Posso sair de manhã com segurança de que tenho um motivo para estar fora de casa. Não estou tão cansada psicologicamente, ainda consigo incutir alguma esperança e leveza lá em casa, o que é mais do que positivo. É ótimo!
Penso que esta situação tem o poder de unir as pessoas, de nos fazer refletir que sempre estivemos todos no mesmo barco e que ganhamos muito mais se remarmos todos na mesma direção.
E, num microcosmos individual, sinto que esta situação me tem dado a descobrir novas perspetivas sobre mim mesma. Esta semana senti-me leve pela primeira vez em muito tempo. Acho que ajudou tanto ter tido um quase colapso emocional na semana passada, porque me permitiu aliviar muita carga pesada que já carregava há muito tempo. Externalizar, coisa que é tão rara em mim, libertou-me e deu-me espaço para compreender as coisas de outro ângulo. Trouxe-me um ritmo mais calmo, brando e uma capacidade de reflexão maior, que estava refém de uma impulsividade nada amigável. Dou comigo a pensar que tudo vai ficar bem, a cantar mentalmente Andrà tutto benne ao longo do dia, a sentir-me em paz comigo mesma, porque sei que todos os recursos mentais e emocionais devem ser poupados para esta longa caminhada que temos diante de nós. Temos de poupar energias, poupar-nos ao máximo, para sermos capazes de aguentar até o cruzar da meta. Para isso, é preciso flexibilizar, olhar mais para o que temos do que para o que nos falta, acreditar que é uma situação temporária e, acima de tudo, externalizar o que vai dentro de cada um de nós. Não podemos fingir uma tranquilidade que não temos, se é medo que sentimos. Temos de dar espaço a todas as emoções que surgirem, mas não esquecendo que somos nós que tomamos a decisão de quais iremos alimentar.
Esta semana escolhi privilegiar a minha paz interior, abrindo mão de tudo aquilo que não é justo, mas que também não está ao meu alcance mudar. Aceitei que as coisas são como são, que nunca haverá justiça no mundo e que eu apenas posso ser justa comigo mesma e nas ações que pratico, para comigo e para com os outros. Quando compreendi que a minha energia deveria ser canalizada para coisas que poderiam realmente mudar e fazer sentido, alcancei a tranquilidade que não tinha até então. Não estou no estado nirvana e certamente que virão dias em que a minha serenidade será apenas uma memória, mas hoje estou bem e em paz. E esta situação, se serviu para enfatizar algo, foi que só temos o momento presente como certo. Por isso, hoje estou bem, a saborear a ideia de que é sexta-feira e espero que, se alguém ler este texto, pare para pensar em tudo aquilo de bom que tem neste momento e sorria. Porque há sempre um motivo para sorrir. Nem que seja a beleza de um sorriso em si mesmo. 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.