Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

the old soul girl

the old soul girl

10
Out19

em modo de jacto

girl

o meu dia começou tão bem. dormi muitíssimo bem, abraçada pelo novo edredon quentinho. tive oportunidade de ver o dia nascer, o sol a acordar e o céu a transformar-se numa paleta de cores lindíssima. meditei, como faço todas as manhãs, e preparei-me para mais um dia de trabalho. quinta-feira, o primo da sexta. a sensação de que estamos mesmo quase a cortar a meta, mas ainda falta um último esforço.
gargalhadas em casa, miminhos no carro. chego ao trabalho sempre com um sorriso no rosto, porque acredito que ninguém merece levar com as nossas dores e dramas. "bom dia!" digo alto, em bom som, e com um sorriso generoso. para mim sorrir é a cafeína de que preciso para enfrentar mais um dia. lá vou eu, pelo corredor da empresa, a distribuir sorrisos e boa energia. assim custa menos, penso eu.
quando o trabalho efetivamente começa, nem sempre é fácil continuar com esta boa disposição. aliás, não é fácil, é praticamente impossível. só mesmo com muito esforço.
e depois há dias como o de hoje. o dia começa bem, maravilhoso, mas à medida que vai passando, não é apenas a energia que vai sendo consumida. é toda a satisfação, a vontade de fazer mais, de fazer melhor.
ontem corrigiram um erro meu. por norma, aceito as chamadas de atenção com exigência: a que tenho comigo mesma e com o meu trabalho. não há ninguém que se castigue e puna mais do que eu comigo mesma. mas ontem, surpreendentemente, não senti qualquer pressão vinda de mim. pelo contrário, aceitei tranquilamente, pacífica. e foi esta falta de interesse que ligou um alarme dentro de mim. porque eu nunca sou assim. sou comprometida com as coisas. dou sempre o meu melhor, não fosse o meu lema de vida "para ser grande, sê inteiro". por isso, quando dou por mim a contentar-me com ser medíocre, a nem sequer ficar chateada comigo mesma por falhar, é hora de fazer alguma coisa.
desde que estou neste trabalho, o lema tem sido "aceitas ou mudas", porque é certo que as empresas dificilmente mudam. ou aceitamos as coisas como são ou mudamos nós.
só que mudar, na situação atual em que me encontro, é muito complicado. apesar de trabalhar num local que suga tudo o que há de melhor nas pessoas, o meu emprego é estável, recebo bem tendo em conta o panorama nacional e da minha profissão, estou pertíssimo de casa, gosto muito dos meus colegas de trabalho e integrei-me muito rápido. às vezes penso que os motivos que existem para mudar são tão pequeninos. a questão é que, embora pequenos, são demasiado fortes e gritantes para ignorar. são pequenas partículas que vão contra todos os meus valores, tudo aquilo que acredito no que diz respeito à forma como se devem tratar as pessoas, como deve ser um bom ambiente de trabalho. e eu sou teimosa com estas coisas. sobretudo em tudo aquilo que diz respeito a pessoas. não consigo evitar ser assim.
o dia começou mesmo muito bem. quase todos começam. mas quando subo as escadas para o meu gabinete, a barriga começa a apertar, a contrair-se num pequeno feijão e, quando dou por ela, é difícil respirar. não é no sentido literal da respiração, é no sentido em que todo o ar do mundo parece insuficiente para aguentar o ambiente saturado, asfixiante e tenso em que passo a maior parte do dia, aliás, as melhoras horas do dia. quando regresso a casa, a disposição para o que quer que seja é quase nenhuma. os dias repetem-se numa rotina enfadonha, aborrecida, que ou é má ou muito má. e esta lufa-lufa quotidiana, o vício de estar sempre a queixar e resmungar do mesmo cansam. é por isso que sinto que tenho de mudar. e estou a escrever tudo isto para que o que sinto há tanto tempo venha cá para fora. para que se materialize em palavras. palavras que espero, um dia, escrever numa carta. a carta que ditará o fim de um capítulo e o início de outro: a de demissão.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.