Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

the old soul girl

the old soul girl

18
Ago20

#8 Self-Care Journal: Describe your perfect beach day.

girl

O meu dia de praia perfeito é céu azul e sol ao alto. É um dia quente, com um ligeira brisa suave, que não incomoda, pelo contrário, completa a perfeição deste quadro. É enterrar os pés na areia escaldante e ir a correr até à areia molhada para não ficar com eles todos queimados. É estender a toalha à pressa, tirar a pouca roupa, arrumar tudo à velocidade da luz e ir de imediato à beira-mar avaliar a temperatura da água. É sentir a água quente (um conceito que varia de pessoa para pessoa, de acordo com o termóstato interno de cada um) e ir avançando com as ondas, sem medos, até ao momento que a água já nos toca na barriga e a única opção é mergulhar. É flutuar na água, de braços e pernas abertas, como as estrelas do mar, e olhar para o céu azul e sentir o sal e sol no rosto. É ir com as ondas, brincar no meio destas, sentir o corpo leve e solto, como se não nos pertencesse. É ficar com os dedos enrugados, semelhante às uvas passas, e olhar para o areal e ver famílias, grupos de amigos, namorados, crianças, todos a divertirem-se, alheios a todos, vivendo o momento presente. É regressar à toalha e fazer dela a melhor e mais confortável cama. É sentir o sol queimar cada poro, as gotas de água a deslizar pelo corpo, os lábios salgados e uma felicidade estúpida e simples no rosto. É fechar os olhos e quase ceder ao sono, mas resistindo sempre, ouvindo vozes alternadas aqui, ali e acolá, as ondas a arrebentar, a conhecida "olha a bolinha!!". É sentir o batimento do nosso coração e ter a certeza de que a praia é um lugar de encontro, onde podemos apenas ser. É ser devorado por uma fome cuja origem é desconhecida, mas que nos faz querer comer este e outro mundo e, ainda assim, não ficar saciado. É caminhar pelo areal, alternando o olhar entre o horizonte do mar e as conchas e búzios que se escondem entre os nossos pés. É sentir o corpo mole e cansado de não fazer rigorosamente coisa nenhuma. É ser apanhado numa moleza que convida a sesta, que atenua todos os pensamentos e estimula todos os sentidos. É chegar a casa e tomar um banho que limpa todo o sal e areia, hidratar o corpo e senti-lo quente e queimado, vestir uma roupa leve e solta, olhar ao espelho e ver as bochechas rosadas, o cabelo molhado e livre, o sorriso de quem usufruiu e foi feliz. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.